“A Busca das Esferas” é romance de estreia que nasceu na campanha coletiva NaNoWriMo


Campanha coletiva de incentivo à escrita foi ponto de partida para primeira obra da autora Mariana Baroni

Tradutora, revisora e amante da literatura, Mariana Baroni lança o livro “A Busca das Esferas” a partir de incentivo da campanha coletiva NaNoWriMo. O apelido é para “National Novel Writing Month”, que em todo mês de novembro reúne escritores amadores para uma caminhada motivacional para escrita diária ao longo de todo o mês. A união com o mesmo objetivo, assim como as metas e recompensas simbólicas, colabora para a criação - e até mesmo a conclusão - de obras literárias que ao longo do processo fazem avanços extraordinários.

Foi através dessa jornada que se deu o início de “A Busca das Esferas”, primeira obra de Mariana Baroni, que une fantasia e romance para contar a jornada de Nara. Garota aparentemente comum, Nara encontra um dia um objeto mágico: uma esfera que lhe concede um poder. Porém, a partir de sua descoberta, ela passa a ser perseguida por outras pessoas interessadas na esfera. Essa perseguição a coloca em contato com grupos que estão em busca de outras esferas parecidas e a envolve nessa aventura também.

“Duas cenas dessa história surgiram para mim em um sonho, em momentos diferentes.”, conta a autora. “Eu já tinha começado a escrever alguns rascunhos sobre ela, mas nunca tinha escrito a história inteira. Em 2013 eu conheci o NaNoWriMo e decidi participar. Para isso funcionar, não dá para ficar editando e pensando muito no que se está escrevendo - a única forma de conseguir concluir o desafio é controlar seu "editor interno" e deixar o fluxo criativo fluir livremente. Esse foi o momento em que eu consegui finalmente desenvolver a história completa do livro. As correções e edições vêm só em janeiro, depois de um merecido mês de descanso. Foi uma experiência nova para mim, e funcionou muito bem.”

“A Busca das Esferas” marca também um passo muito importante para a editora Penalux, que tem pela primeira vez em seu selo Auroras a publicação de um romance fantástico. O selo em si já é uma janela de oportunidades por se tratar de um selo que trabalha exclusivamente com autoras mulheres. Ter esse caminho aberto agora para novas criadoras e histórias do gênero é um passo à parte na trajetória do livro. Como parte da equipe que traz a obra à vida, estão a editora Dani Costa Russo, a revisora Eduarda Rimi, a designer gráfica Talita Almeida e o ilustrador Cícero Lopes.

O livro “A Busca das Esferas” já está à venda pelo site da editora Penalux. Para conhecer mais sobre os processos criativos de Mariana e a jornada de “A Busca das Esferas” a partir de agora, siga as redes sociais da autora @maribaronif e da editora @seloauroras. Lançamento | “A Busca das Esferas” Link para compra: https://www.editorapenalux.com.br/loja/a-busca-das-esferas Instagram da autora: https://www.instagram.com/maribaronif Links do livro: Skoob: https://www.skoob.com.br/a-busca-das-esferas-12152253ed12134717.html Goodreads: https://www.goodreads.com/book/show/60797159-a-busca-das-esferas Detalhes do livro Editora: Penalux Gênero: romance Formato: 14x21 Ano: 2022 Páginas: 194 Pólen soft 80 Extra 1 | Sinopse “Nara parece ser uma menina que se esconde atrás de histórias e se sente invisível perante os outros. E é isso que deixa tudo ainda mais potente. Nara está próxima de nós. Podemos nos ver em sua trajetória, ela é a materialização dos nossos sonhos juvenis. Mas não se deixe enganar: o caminho não é fácil e algumas perdas podem ser inevitáveis. A busca das esferas foi uma grata surpresa porque não encantou apenas a Rafaela de 30 anos, mas aquela de 15 que estava adormecida. Com muita ação, romance e aventura, a estreia de Mariana traz uma história completa e capaz de agradar até o mais cético em relação a outros universos.” - por Rafaela Riera. Extra 2 | Mariana Baroni fala sobre a escrita em sua vida “Escrever, para mim, sempre foi sinônimo de refúgio. Era para esse refúgio que eu corria quando queria me sentir segura. Nas minhas histórias, eu era livre e podia fazer o que quisesse, era simplesmente fantástico! A escrita é minha forma de me expressar, de deixar fluir qualquer tipo de sentimento – da dor à alegria –, de ser tudo o que eu quiser.

Escrever é, em si, um ato de coragem, disciplina e resiliência. É preciso coragem para mostrar ao mundo o que você tem a dizer, é preciso disciplina para se aprimorar e é preciso resiliência para não desmoronar com as decepções e frustrações (que são muitas!) ao longo do caminho. E no percurso, aprende-se muito sobre e consigo mesma. Escrevo para criar um espaço de refúgio para quem lê, um lugar de acolhimento onde se possa descansar com segurança.

Ser mulher e escritora ainda é sinônimo de muita luta e trabalho para se destacar por seu próprio mérito. Quero inspirar outras mulheres para que deixem suas palavras fluírem. Quanto mais mulheres na literatura, mais exemplos inspiradores teremos, mais nos reconheceremos e nos apoiaremos”.