A construção de minimundos e Mostra coletiva na Referência Galeria de Arte


No mês em que celebra 26 anos de atuação, a galeria abre uma exposição organizada pelo artista Pedro Gandra com obras de artistas que trabalham em diferentes regiões do país e que se utilizam de diversas mídias em suas produções como desenho, pintura, instalação e fotografia

No dia 19 de novembro, sexta-feira, a partir das 10h, a Referência Galeria de Arte abre ao público a mostra coletiva “A construção de minimundos”, com obras de Ana Júlia Vilela (SP), Annima de Mattos (SP), Gisele Camargo (MG), Joaquim Paiva (RJ), Léo Tavares (DF), Pedro Lacerda (DF), Raquel Nava (DF), Vânia Mignone (SP) e Pedro Gandra (DF), que também organiza a mostra. Com trabalhos em pintura, desenho, fotografia e instalação, a exposição aborda o que circunda a produção dos artistas, seus interesses, referências e influências além da arte e do fazer artístico. A mostra fica em cartaz até o dia 31 de dezembro, com visitação de segunda a sexta, das 10h às 19h, e sábados das 10h às 15h. Durante o período de exposição, acontecem encontros com os artistas tanto presenciais como online e ambos com transmissão pelo Instagram @referenciaarte. A Referência Galeria de Arte fica na 202 Norte, Bloco B Sala 11 – Subsolo, Brasília- DF. Telefone: (55 61) 3963-3501 e Wpp (55 61) 98162-3111.

"A construção de minimundos" reúne trabalhos de artistas contemporâneos e busca provocar o público acerca dos limites de onde se supõe, comumente, abrigar o pensamento pictórico manifesto em diversas formas e mídias. A coletiva foi organizada a partir da pesquisa individual de Pedro Gandra que busca estabelecer um diálogo plural com as variadas poéticas apresentadas pelos artistas dentro do espaço de pensamento que a exposição proporciona. Segundo o artista/curador da mostra, Pedro Gandra, “a transdisciplinaridade de referências que vão do cinema à história em quadrinhos, da música à literatura que compõe o imaginário dos artistas convidados é também um assunto que a mostra pretende articular.

“A mostra orbita ao redor de encontros temáticos e de referências ou de assuntos de interesse dos artistas”, diz o artista/curador. “A heterogeneidade poética das pesquisas dos artistas é relevante para o pensamento da mostra. Não há aqui uma pretensão de unicidade. Mas pode se dizer que há em certos momentos imaginários compartilhados”, ressalta Pedro. “A investigação da paisagem, a representação de espaços de interior e urbanos; há uma certa insistência em alguns trabalhos em criar o que parecem ser cenas, da ordem do cenográfico mesmo, ambientações ou até mesmo ambiência, existem em algumas obras um caráter quase sinestésico. Se O expectador se permitir, poderá ser quase que tomado pela sensação, isso pode ocorrer pela relação com a cor, relações de macro e micro, a fisicalidade, a presença física do espectador no espaço diante destas obras define muito da relação com o trabalho, o aproximar para ver/ler aquilo que a princípio parece difícil de enxergar, o afastar para ver o todo que a proximidade impede”, completa.

Ciclo de conversas

Ao longo do período da mostra, a Referência realizará o Ciclo de conversas, uma série de encontros com a participação dos artistas da mostra e aberta ao público, quando acontecerem de forma presencial. A programação começa no dia 20 de novembro, sábado, às 12h, com Onice Moraes e Pedro Gandra que conversam sobre a mostra em cartaz e os 26 anos da Referência. No dia 25, quinta-feira, às 18h, Raquel Nava e Pedro Gandra conversam sobre seus trabalhos. No dia 1º de dezembro, quarta-feira, às 18h, Pedro Gandra entrevista o fotógrafo Joaquim Paiva. Na sexta-feira, 3 de dezembro, das 14h às 19h, Gisele Camargo e Pedro Gandra participam de uma sessão de entrevistas mútuas. No dia 9, quinta-feira, às 18h, Pedro Lacerda e Leo Tavares participam de uma conversa mediada por Pedro Gandra. Encerrando a programação, no dia 16 de dezembro, quinta-feira, às 18h, Pedro Gandra mediará a conversa entre Ana Júlia Vilela e Annima de Mattos. Apenas a última sessão do Ciclo de conversas será exclusivamente online. As outras serão transmitidas pelo Instagram @referenciaarte, sendo que a do dia 3, com Gisele Camargo e Pedro Gandra, será transmitida no período de 18h às 19h. A entrada para as conversas presenciais é gratuita e livre para todos os públicos, mas sujeita à disponibilidade de vagas no espaço, limitada a 10 pessoas, e mediante agendamento pelo telefone (55 61) 3963-3501 e Wpp (55 61) 98162-3111.

26 anos de Referência

A mostra que entra em cartaz na Referência acontece no mês em que a galeria completa 26 anos de atuação no mercado de arte contemporânea brasileiro, tendo como uma de suas principais missões contribuir para o crescimento e o fortalecimento de artistas, curadores, críticos e de coleções privadas e públicas, além de dar visibilidade para a produção artística do Centro-Oeste. Nessas mais de duas décadas e meia de trabalho, a galeria busca promover o diálogo entre os diversos profissionais do segmento de todo o país, propondo exposições em Brasília e em outros estados. “Esta exposição proposta por Pedro Gandra representa o ideal de trabalho da Referência: Um artista com liberdade para propor e executar suas ideias, em uma constante troca de energias, processos uns dos outros e enriquecimento do nosso universo. Um presente da Referência para a cidade”, afirma a galerista Onice Oliveira.

Sobre os artistas

Ana Júlia Vilela é Bacharel em artes visuais pela Universidade Federal de Pelotas (UFPEL). A artista desenvolve sua poética principalmente na pintura e desenho. Seu trabalho transita entre o gráfico e o pictórico, entendendo a tela tanto como superfície quanto janela. Aproveitando da linguagem instantânea das redes sociais em uma iconografia própria, repleta de formas fluidas e narrativas não lineares que intercalam humo