top of page

A escalada da Inteligência Artificial no cibercrime: um alerta para o futuro


Em um cenário contemporâneo onde a Inteligência Artificial (IA) permeia os mais variados setores é impossível ignorar seu impacto em áreas críticas, como a cibersegurança. Assim como a eletricidade e a internet revolucionaram décadas anteriores, a IA promete ser a força motriz da próxima geração - mas, infelizmente, trazendo consigo ameaças em uma escala sem precedentes no âmbito dos crimes cibernéticos.


Se por um lado a IA tem potencial transformador indiscutível em setores como saúde, educação e negócios, por outro pode significar um risco considerável, visto que criminosos também possuem acesso a essa tecnologia e podem usá-la para aprimorar suas técnicas de ataque, tornando-as mais apuradas eficazes e abrangentes.


Com o avanço na adoção dessas ferramentas surgem oportunidades inéditas para ataques cibernéticos nas mais diversas frentes. Por exemplo, geradores de texto e revisores ortográficos podem ser empregados para criar rapidamente textos sofisticados e com gramática impecável, possibilitando que e-mails maliciosos transponham os filtros de spam e concretizem golpes convincentes contra indivíduos e empresas.


Sistemas autônomos identificam vulnerabilidades, superam bloqueios de Captcha e são capazes de coletar dados sobre indivíduos usando redes sociais e outras plataformas, facilitando o acesso a informações confidenciais e potencializando ataques direcionados.


Todavia, um dos aspectos mais alarmantes desta evolução é a habilidade de empregar a IA em técnicas de engenharia social, como a clonagem de vozes em tempo real e a criação de imagens e vídeos deepfake incrivelmente realistas.


Estas inovações já estão elevando os velhos golpes a patamares de sofisticação quase ilimitados. Além dos ataques utilizando imagens falsas, os vídeos deepfake abrem caminho para chantagens, difamações e disseminação de desinformação. São técnicas que podem, para dar apenas alguns exemplos, destruir reputações, incriminar inocentes e prejudicar candidatos influenciando eleições, em uma clara e real ameaça à nossa democracia.


Embora a IA não seja uma novidade, nos últimos anos atingiu níveis tecnológicos somente vistos em obras de ficção científica. Com um alcance sem precedentes, desperta crescente interesse e uma escalada em investimentos no setor. Mas, na falta de limites e regras claras para seu desenvolvimento, cria-se um cenário muito perigoso, já que em um mercado tão competitivo não podemos esperar que empresas estabeleçam, por si só, padrões éticos para o uso desta tecnologia.


É impreterível que, além do investimento no desenvolvimento de ferramentas de IA, sejam estudados e compreendidos os riscos associados a essas inovações cada vez mais avançadas. Assim, é urgente desenvolver instrumentos para coibir as más condutas.


Dentro em muito breve a Justiça, com suas próprias questões e desafios, vai estar frente a frente com uma nova realidade. Juízes e autoridades na esfera criminal necessitarão de novas ferramentas, como legislações e diretrizes bastante específicas. Por isso os governos e as instituições, de modo inadiável, devem estabelecer marcos regulatórios robustos, assegurando que a IA seja desenvolvida e utilizada de forma ética e segura.


As tecnologias de IA podem transformar positivamente a nossa sociedade, mas não podemos negligenciar seus riscos. Ao que parece, o Legislativo brasileiro ainda não compreendeu a urgência dessa discussão. Por isso, torna-se essencial abordar o tema, reconhecer os desafios que ele engloba e mobilizar a sociedade para um futuro que já está diante de nós.


Paul Hodel é engenheiro de software, empresário e compositor. Possui extensa experiência no setor privado, destacando-se em tecnologia da informação, desenvolvimento de produtos e inovação tecnológica.

Comments


bottom of page