A importância da literatura infantil na formação de leitores para a vida adulta


No último domingo (18), celebramos o nascimento de Monteiro Lobato, importante nome dentro da literatura brasileira, nascido no ano de 1882. O escritor, que partiu há 73 anos, mas tem seu legado muito vivo até hoje, tornou-se um grande destaque por se tornar um dos primeiros autores da literatura infanto-juvenil no Brasil. Por esse motivo, na data de seu aniversário, comemora-se também, o Dia Nacional do Livro Infantil.


Monteiro Lobato foi alfabetizado pela sua mãe e, por influência do seu avô, teve contato desde muito cedo com livros literários. Ainda na infância, leu todas as obras presentes na estante de seu avô, Visconde de Tremembé. No ano de 1918, começou a se dedicar à literatura infantil e, em 1921, publicou o livro “Narizinho Arrebitado.” A produção fez tanto sucesso que inspirou todas as outras histórias voltadas para o famoso “Sítio do Pica-Pau Amarelo”.


Em uma época em que as crianças brasileiras só tinham acesso a literatura estrangeira, com contos fantasiosos com cenários e personagens com características distantes da realidade brasileira, Monteiro Lobato representou com maestria a cultura do nosso país em suas histórias, com personagens que fazem sucesso até hoje, como Emília, Narizinho, Visconde de Sabugosa, Tia Nastácia, etc. Atualmente, Monteiro Lobato possui mais de 23 títulos infanto-juvenis publicados e é conhecido como o pai da literatura infanto-juvenil.


A literatura na infância é uma base importante para a formação de novos leitores. Os adultos leitores fluentes de hoje, em sua grande maioria, desenvolveram o gosto pela leitura quando crianças, com base na leitura e audição de histórias de diferentes gêneros, incluindo os grandes sucessos de Monteiro Lobato.


O despertar do interesse e do hábito da leitura é um processo constante. Ele, inicialmente, surge pelo incentivo da família, é aperfeiçoado de forma sistemática na escola e perdura por toda a vida em práticas sociais. Ainda na fase intrauterina, o bebê é capaz de captar as vibrações emitidas e consegue identificar a emoção das palavras. Na escola, os professores que incluem pequenas leituras dentro da faixa etária e interesse do aluno, estão incentivando e construindo um hábito que irá acompanhá-lo por toda a vida adulta. A criança que se interessa pela leitura desde muito cedo, aprende com mais facilidade. Nesse sentido, a criança interessada em aprender torna-se um leitor capaz.


O contato precoce com a leitura favorece o desenvolvimento cognitivo, social e emocional da criança. Por estimular a criatividade, a imaginação, a linguagem oral, escrita e expressiva, contribui para a formação de sujeito crítico, responsável e atuante. Além de gerar aprendizado e contribuir para o desenvolvimento integral da criança, o livro é fonte de prazer e alegria. Nós, professores e responsáveis, atuando como educadores para a vida, temos a oportunidade e responsabilidade de apresentar para as crianças a magia que os livros proporcionam.