ABPIP apoia campanha que alerta para a saúde mental das mães


Campanha Maio Furta-Cor propõe ações gratuitas durante todo o mês das mães para alertar quanto ao adoecimento materno, que cresceu na pandemia

Nem tudo são flores quando o assunto é maternidade. A jornada pode também trazer espinhos, como sobrecarga de trabalho e emocional e até mesmo o sentimento de insuficiência, que podem causar o adoecimento das mães. Para ajudar essas mulheres, a campanha Maio Furta-Cor promove, durante todo o mês, ações de conscientização, como palestras, rodas de conversa, entrevistas, lives, marchas, caminhadas, mamaços, rodas de dança mãe-bebê e outras atividades gratuitas, visando alcançar pessoas nos mais variados espaços.


Segundo as idealizadoras da campanha, Nicole Cristino e Patrícia Piper, o movimento existe com o intuito de transformar a avalanche de dor e sofrimento materno em uma verdadeira onda de cuidado, afeto e legitimação dos sentidos do maternar.


Com a mão de obra feminina cada vez mais crescente nas empresas do setor petrolífero e em toda a cadeia de negócios, a Associação Brasileira dos Produtores Independente de Petróleo e Gás (ABPIP) abraçou a causa com o intuito de ajudar as mulheres a identificaram o problema e a procurarem a ajuda adequada. “O mês em que é celebrado o Dia das Mães, também é um momento importante para trazer à luz um tema carregado de tabus, que é a saúde mental materna e os aspectos envolvidos nos crescentes índices de depressão, ansiedade, esgotamento e suicídio de mulheres nesta fase da vida”, explicou Anabal Santos Jr., Secretário Executivo da ABPIP.


Webinar gratuito – Além do apoio institucional, a ABPIP vai levar o Maio Furta-Cor para dentro das empresas associadas, com uma intensa divulgação da campanha nas redes sociais e em comunicados internos, e com depoimentos de mulheres importantes do setor, que também são mães, como Luciana Borges, presidente da Associação: “Meu maior desafio como mãe foi aceitar que não sou, nunca serei e, melhor ainda, não preciso ser a mulher-mãe maravilha! O dia que entendi e aceitei essa condição me senti em paz. As pessoas ao nosso redor cobram muito da mãe profissional, que precisa dividir seu tempo entre casa e trabalho. Mas, a maior cobrança vem de nós mesmas. Nós precisamos simplesmente dar o nosso melhor!”.


Dentro da programação da campanha, a ABPIP realizará um webinar gratuito no dia 25 de maio, às 18h, em parceria com o projeto Maio Furta-Cor, para debater sobre o tema “Saúde mental materna importa”, com palestras da médica pediatra Silvane Vasconcelos Brotto, e da médica psiquiatra e obstetra, Patrícia Cristine Piper. O acesso é gratuito e as inscrições já estão abertas pelo link: https://lnkd.in/dJE3Bgxn.


A campanha - O Maio Furta-Cor é uma campanha sem fins lucrativos, democrática e apartidária, cujo objetivo é sensibilizar a população para a causa da saúde mental materna. A campanha nasceu em 2021, quando a pandemia deixou um pesado fardo para muitas mães, a precarização da vida. Escolas fechadas por mais de um ano, famílias fragmentadas, tripla jornada de trabalho, reduções salariais, desemprego, informalidade, aumento dos índices de violência doméstica e feminicídio são apenas alguns dos fatores que impactam na saúde mental materna.


O nome da campanha, Furta-cor, vem representar a maternidade, cuja tonalidade se altera conforme a luz que recebe. Segundo a cartilha da campanha, “a maternidade tem cores: preta, branca, amarela, indígena. As cores da maternidade não se anulam, não são iguais nem formam uma cor só. Suas cores são suas diferenças na igualdade do direito de ser mãe. Maternidade precisa de luz, apoio e cuidado. Para existir, requer o olhar engajado de todos. Sem manuais, sem regulamentos. Levantar a bandeira de uma maternidade furtacor, livre de tabus e silenciamentos, é promover saúde mental”.


A programação completa da campanha e as cidades que vão receber a Marcha Furta-Cor pode ser conferida no link: https://www.maiofurtacor.com.br/materiais-de-campanha .