top of page

Cinema do CCBB Brasília prossegue com mostra completa do cineasta canadense Xavier Dolan, de 26/09


Até 15 de outubro, o CCBB Brasília apresenta O MULTICINEMA DE XAVIER DOLAN, mostra completa do canadense Xavier Dolan, um dos mais renomados cineastas dos últimos anos. A carreira de sucesso internacional decolou em 2009, quando, aos 20 anos, foi premiado no Festival de Cannes com o longa-metragem "Eu matei minha mãe". Desde então, Dolan, que também é ator, construiu uma filmografia intensa e elogiada em todo o mundo. O título da mostra não é à toa. Xavier Dolan é multi. Nos seus filmes ele desenvolve diversas funções e domina o que está fazendo de uma maneira peculiar no cinema contemporâneo. Esse ser multi é tão presente em seus filmes, como em suas escolhas de carreira e sua história dentro do cinema. Com curadoria de Fábio Savino, a mostra O Multicinema de Xavier Dolan exibirá no cinema do CCBB Brasília seus oito longas-metragens. Além disso, uma programação complementar inclui filmes que marcaram a vida de Dolan e de seus trabalhos como ator. Menino Prodígio - Segundo o curador, apresentar ao público brasileiro a totalidade da obra de um cineasta tão jovem e no auge de sua carreira é proporcionar o acesso a uma cinematografia ainda em processo, ainda em evolução. “A ideia é, também, refletir sobre o cinema produzido hoje no mundo, suas relações, referências e necessidades. Ainda que não muito extensa, sua premiada cinematografia já é capaz de trazer um recorte bastante significativo do mundo que vivemos.” Dentro de alguns nomes que de se destacaram na última década, Xavier Dolan é considerado pela crítica internacional como um novo “menino prodígio” do cinema. Figura sempre presente no Festival de Cannes desde seu primeiro longa, apresentado na Semana da Crítica, Dolan é hoje um dos mais premiados cineastas da sua geração. Venceu em 2014 do Prêmio do Jury no Festival de Cannes com “Mommy”, vencedor do Grande Prêmio do Jury com “Juste la fin du monde” em 2016 e vencedor do prêmio FIPRESCI no festival de Veneza de 2013 com o filme “Tom na fazenda”. Extras - Entre os filmes da programação complementar da mostra O Multicinema de Xavier Dolan estão “O demônio das onze horas”, de Jean-Luc Godard (1965), “Batman, o retorno”, de Tim Burton (1989), “Garotos de Programa”, de Gus Van Sant (1991), “Amor à flor da pele”, de Wong Kar-Wai (2000), filmes estimados pelo cineasta, além de “Crime no sanatório”, de Charles Binamé (2014) e Boy Erased: Uma Verdade Anulada, de Joel Edgerton (2018), ambos com atuações de Xavier Dolan. XAVIER DOLAN - Nascido em 1989, Xavier Dolan é filho de um casal de um ator, cantor e compositor com uma professora quebequense. Desde muito cedo já se interessa pela carreira do cinema e, aos quatro anos, com a ajuda de uma tia inicia sua carreira de ator. Seus pais se divorciam ainda muito cedo, e sua mãe se muda para o subúrbio. Esse fato, quando o cineasta ainda era muito jovem, o marca de tal forma que essa relação é, em muito, apresentada em seu primeiro longa, “Eu matei minha mãe”, de 2009. Ainda antes de se lançar a direção cinematográfica, ele se dedica a profissão de dublador para filmes lançados no Quebec. Ele é responsável, entre outros, pela voz de Ron Wasley em toda a saga Harry Potter. Esse trabalho secundário, ainda é importante para o ator, que continua até hoje em diversas produções mais recentes. Em 2008, Dolan decide, de maneira autodidata, começar a produção de seu primeiro longa-metragem, “Eu matei minha mãe”, baseado numa história escrita pelo próprio três anos antes. Dolan tem 20 anos quando, em 2009, esse mesmo filme é selecionado para a Quinzena dos Realizadores, programação paralela do Festival de Cannes. Ele ganha três prêmios com o filme, “Art et essai” (prêmio dado pela Confederação Internacional de Cinemas de Arte), o prêmio da Sociedade dos Autores e Compositores Dramáticos pelo roteiro e o prêmio “Regards jeunes”. A partir de 2009, todos seus filmes são selecionados em grandes festivais, e ele conquista outros diversos prêmios no Festival de Cannes. Em 2010, um ano depois da sua primeira aparição na rivière francesa, ele volta com seu segundo filme “Amores imaginários”, selecionado dentro do “Um certain regard”. O filme é muito bem recebido pelo público em sua primeira exibição, com uma ovação de quase 8 minutos. Seu próximo filme, “Laurence Anyways” é também selecionado em 2012 no Festival de Cannes na mesma seleção, “Un certain regard”. Mas é no festival de Toronto do mesmo ano que o filme recebe o prêmio de melhor filme. Um ano depois, é a vez do Festival de Veneza descobrir o talento do jovem canadense e premia-lo por “Tom na fazenda”, que recebe o prêmio FIPRESCI. Mas é somente com “Mommy”, seu quinto longa-metragem, selecionado em competição oficial no Festival de Cannes de 2014, que Dolan se afirma como grande prodígio da nova geração de cineastas. Ele ganha o Prêmio do Júri, dividindo a honra com ninguém menos que Jean-Luc Godard. E dois anos depois, ele volta novamente ao festival para ganhar o Grande Prêmio por seu último filme, “Juste la fin du monde”. PROGRAMAÇÃO 06/10 - SEX 21h | Amores imaginários, de Xavier Dolan (Les Amours Imaginaires, Canadá, 2010) | 14 anos | 102’ 07/10 - SAB 21h | É apenas o fim do mundo, de Xavier Dolan (Juste La Fin Du Monde, Canadá e França, 2016) | 14 anos | 99’ 08/10 - DOM 21h | O Demônio das Onze Horas, de Jean-Luc Godard (Pierrot le fou, França e Itália, 1965) | 16 anos | 110’ 10/10 - TER 15h | O jardim secreto, de Agnieszka Holland (The secret Garden, EUA/Reino Unido/Polônia, 1993) | Livre | 101’ 17h | Batman - o retorno, de Tim Burton (Batman Returns, EUA, 1992) | 12 anos | 126’ 19h30 |Mommy, de Xavier Dolan (Canadá, 2014) | 14 anos | 140’ 11/10 - QUA 14h15 | Amores imaginários, de Xavier Dolan (Les Amours Imaginaires, Canadá, 2010) | 14 anos | 101’ 16h15 | Laurence Anyways, de Xavier Dolan (Canadá e França, 2012) | 14 anos | 168’ 19h30 | A morte e a vida de John F. Donovan, de Xavier Dolan (The Death & Life of John F. Donovan, Canadá, 2018) |16 anos | 123’ 12/10 - QUI 15h30 | Amor à flor da pele, de Wong Kar-wai (花樣年華, China, 2000) | 12 anos | 98’ *17h30 | Laurence Anyways, de Xavier Dolan (Canadá e França, 2012) | 14 anos | 168’ | *SESSÃO COMENTADA A sessão comentada do filme Laurence Anyways terá início logo após a sessão e contará com a presença de Maria Taboza. Minibio de Maria Taboza: Doutoranda em Literatura, Cinema e Teatro na Universidade Laval (Quebec, Canadá). Co-organizadora do ciclo de cinema As imagens vêm do Sul. Desenvolve pesquisas sobre a relação entre literatura e visualidades. Facilitadora em oficinas de escrita de roteiro. Fotógrafa. Revisora literária. 13/10 - SEX 15h15 | Uma babá quase perfeita, de Chris Columbus (Mrs. Doubtfire, EUA, 1993) | Livre | 125’ 17h45 | Tom na fazenda, de Xavier Dolan (Tom à la ferme, Canadá e França, 2013) | 16 anos | 105’ 20h | Eu matei minha mãe, de Xavier Dolan (J'ai tué ma mère, Canadá, 2009) | 16 anos | 100’ 14/10 - SAB 15h15 | Garotos de programa, de Gus Van Sant (My Own Private Idaho, EUA, 1991) | 18 anos | 104’ 17h15 | Mommy, de Xavier Dolan (Canadá, 2014) | 14 anos | 140’ 20h | É apenas o fim do mundo, de Xavier Dolan (Juste La Fin Du Monde, Canadá e França, 2016) | 14 anos | 99’ 15/10 - DOM 15h15 | Boy Erased: Uma Verdade Anulada, de Joel Edgerton (EUA, 2018) | 14 anos | 115’ 17h30 | Crime no Sanatório, de Charles Binamé (Elephant Song, Canadá, 2014) | 14 anos | 110’ 19h45 | Matthias & Maxime, de Xavier Dolan (Canadá, 2019) | 16 anos | 129’ FILMES E SINOPSES Os filmes dirigidos por Xavier Dolan: Eu matei minha mãe J'ai tué ma mère 2009 | 100min | Canadá | 16 anos Direção e roteiro: Xavier Dolan Fotografia: Stéphanie Weber-Biron et Nicolas Canniccioni Som: Sylvain Brassard Montagem: Hélène Girard Com Xavier Dolan, Anne Dorval, Suzanne Clément, François Arnaud Hubert (Xavier Dolan) tem 17 anos e não ama sua mãe. Além de só ter olhos para o gosto kitsch, as roupas bregas e pequenos detalhes como a forma que ela come, ele a vê com desprezo. Os mecanismos de manipulação e a culpabilização empregados por ela também não lhe passam desapercebidos, e Hubert se vê progressivamente tomado por uma relação de amor e ódio fora do seu controle. Confuso, ele vaga pela adolescência ao mesmo tempo marginal e típica, repleta de descobertas artísticas, experiências ilícitas, amizades e sexo. Amores imaginários Les amours imaginaires 2010 | 102min | Canadá | 14 anos Direção e roteiro: Xavier Dolan Fotografia: Stéphanie Anne Weber Biron Montagem: Xavier Dolan Com Xavier Dolan, Monia Chokri, Niels Schneider Francis e Marie são amigos inseparáveis. Suas vidas mudam quando conhecem Nicolas (Niels Schneider), um charmoso rapaz do interior que acaba de se mudar para Montreal. Um encontro se sucede ao outro e os três logo se tornam um grupo inseparável. Mas Francis e Marie, ambos apaixonados por Nicolas, desenvolvem fantasias obsessivas em torno de seu objeto de desejo comum. À medida que atravessam as típicas fases da paixão, embarcam numa verdadeira disputa pela atenção do rapaz, comprometendo sua antiga amizade. Laurence anyways Laurence anyways 2012 | 168min | Canadá & França | 14 anos Direção e roteiro: Xavier Dolan Fotografia: Yves Bélanger Montagem: Xavier Dolan Som: Noia Laurence (Melvil Poupaud) se reconhece como mulher. Em seu aniversário de 30 anos, revela para sua namorada Fred (Suzanne Clément) que irá fazer uma cirurgia de mudança de sexo. Mesmo abalada com a revelação, a namorada resolve permanecer ao lado da pessoa que ama, que sofrerá bastante com a nova situação, tendo que lidar com preconceitos de familiares, amigos e colegas de trabalho. Contra tudo, tentarão provar que o amor deles pode superar todas as situações. Tom na fazenda Tom à la ferme 2013 | 102min | Canadá & França | 16 anos Direção: Xavier Dolan Roteiro: Michel Marc Bouchard e Xavier Dolan Fotografia: André Turpin Montagem: Xavier Dolan Som: Sylvain Brassard et Olivier Goinard O jovem Tom (Xavier Dolan) está em depressão após a morte de seu namorado. Ele viaja até o campo para o funeral, mas ninguém da família do falecido sabe sobre sua existência. Por conta das circunstâncias, e do irmão de seu namorado que tenta esconder da mãe a opção sexual do morto, Tom é levado a interpretar o papel de alguém que ele não é, a fim de preservar o segredo. No entanto, a situação se complica e a verdade pode vir à tona a qualquer momento. Mommy Mommy 2014 | 140min | Canadá | 14 anos Direção e roteiro: Xavier Dolan Música: Noia Fotografia: André Turpin Som: François Grenon, Sylvain Brassard Montagem: Xavier Dolan Canadá, 2015. Diane Després (Anne Dorval) é surpreendida com a notícia de que seu filho, Steve (Antoine-Olivier Pilon), foi expulso do reformatório onde vive por ter incendiado a cafeteria local e, com isso, provocado queimaduras de terceiro grau em um garoto. Os dois voltam a morar juntos, mas Diane enfrenta dificuldades devido à hiperatividade de Steve, que muitas vezes o torna agressivo. Os dois apenas conseguem encontrar um certo equilíbrio quando a vizinha Kyla (Suzanne Clément) entra na vida de ambos. É apenas o fim do mundo Juste la fin du monde 2016 | 99min | Canadá & França | 14 anos Direção: Xavier Dolan Roteiro: Xavier Dolan Fotografia: André Turpin Som: François Grenon Montagem: Xavier Dolan Musica: Gabriel Yared , la chanteuse Camille, Dominique Dalcan Longe de casa há doze anos, o escritor Louis (Gaspard Ulliel) vai ao encontro da mãe, da irmã, do irmão e da cunhada para informá-los que irá morrer em breve. No entanto, o roteiro da curta reunião, idealizado por Louis, sai de seu controle assim que as mágoas, as memórias, as brigas e as lágrimas do passado ressurgem de maneira implacável. A morte e a vida de John F. Donovan The death & life of John F. Donovan 2018 | 123min | Canadá | 16 anos Direção: Xavier Dolan Roteiro: Xavier Dolan et Jacob Tierney Fotografia: André Turpin Montagem: Xavier Dolan Meathieu Denis Música: Gabriel Yared John F. Donovan (Kit Harington) é um jovem ator americano de talento que pretende conquistar uma grande carreira na indústria. Mas os seus sonhos começam a se desfazer quando descobrem que ele se corresponde com um garotinho britânico de 11 anos de idade. As acusações maliciosas sobre a relação entre Donovan e a criança criam uma tormenta na vida do ator. Matthias & Maxime Matthias & Maxime 2019 | 129min | Canadá | 16 anos Direção e roteiro: Xavier Dolan Música: Jean-Michel Blais1 Fotografia: André Turpin Som: Sylvain Brassard Montagem: Xavier Dolan Matt e Max, dois melhores amigos de infância, vão a uma festa para celebrar a partida de Max para uma viagem de dois anos. Um beijo inesperado porá tudo em causa. Os filmes da Programação Complementar: O demônio das onze horas Pierrot le fou 1965 | 110min | França & Itália Direção: Jean-Luc Godard Roteiro: Jean-Luc Godard e Rémo Forlani Música: Antoine Duhamel e Cyrus Bassiak Fotografia: Raoul Coutard Montagem: Françoise Collin Som: Antoine Bonfanti et René Levert Com: Anna Karina, Jean-Paul Belmondo Por impulso, Ferdinand abandona sua vida burguesa com a esposa e o filho para fugir com Marianne, uma antiga paixão. Perseguidos por bandidos estrangeiros, eles embarcam numa onda de crimes aleatórios, uma aventura louca envolvendo carros velozes, gângsteres misteriosos e um idílio mediterrâneo. Uma babá quase perfeita Mrs. Doubtfire 1993 | 120min | Estados Unidos | Livre Direção: Chris Columbus Roteiro: Randi Mayem Singer, Leslie Dixon Música: Howard Shore Fotografia: Donald McAlpine Montagem: Raja Gosnell Com: Robin Williams, Sally Field, Pierce Brosnan, Harvey Fierstein, Robert Prosky Daniel Hillard (Robin Williams) está passando por uma fase complicada — acaba de se separar de Miranda (Sally Field) e perdeu o seu emprego. Impedido pela ex-esposa de passar mais tempo com os filhos, ele tem uma ideia inusitada para recuperar a relação com as crianças. Daniel veste-se como uma senhora idosa escocesa e tenta conseguir o cargo de babá no seu antigo lar. O jardim secreto The secret garden 1993 | 101min | Estado Unidos, Reino Unido, Polônia | Livre Direção: Agnieszka Holland Roteiro: Caroline Thompson Fotografia: Roger Deakins Montagem: Isabelle Lorente Música: Zbigniew Preisner Com: Kate Maberly, Heydon Prowse, Andrew Knott, Maggie Smith No início do século XX, Mary Lennox (Kate Maberly) vivia na Índia com seus pais, que não lhe davam muita atenção. Porém um estouro de elefantes os mata e, seis meses depois, Mary desembarca em Liverpool, na Inglaterra, para viver com Lorde Archibald Craven (John Lynch), seu tio, na mansão Misselthwaite, uma construção feita de pedra, madeira e metal na qual existem segredos e antigas feridas. Mary estava assustada naquele solar com várias dezenas de quartos e era incrivelmente mimada, pois lhe desagradava a ideia de vestir suas roupas, já que na Índia isso era tarefa de suas aias. A mansão é administrada pela sra. Medlock (Maggie Smith), uma rigorosa e fria governanta. Lorde Craven perdeu a mulher há dez anos e nunca mais conseguiu superar a tragédia. Para piorar, Colin Craven (Heydon Prowse), seu filho, também sofre de extrema apatia, sempre recolhido no seu quarto. Mais uma vez negligenciada, Mary passa a explorar a propriedade e descobre um jardim abandonado. Entusiasmada com a descoberta, Mary decide restaurar o lugar com a ajuda do filho de um dos serviçais da casa, conquistando assim a atenção do primo doente. Juntos eles desafiam as regras da casa e o velho jardim se transforma em um lugar mágico, cheio de flores, surpresas e alegria. O jardim secreto é um lugar fantástico onde não existe tristeza e arrependimento, um lugar onde a força da amizade pode trazer de volta a beleza da vida. Garotos de programa My own private idaho 1991 | 104min | Estados Unidos | 18 anos Direção e roteiro: Gus Van Sant Fotografia: John J. Campbell, Eric Alan Edwards Montagem: Curtiss Clayton Música: Bill Stafford Com: Starring River Phoenix, Keanu Reeves Mike (River Phoenix) e Scott (Keanu Reeves) são dois jovens garotos de programa que moram nas ruas de Portland, Oregon. Os dois fazem parte de um grupo de libidinosos excluídos sociais, que se juntam num prédio condenado para fazer tumulto e se venderem a quem esteja disposto a pagar por eles. Apesar de ambos serem insatisfeitos e perturbados, os dois garotos têm uma personalidade bem diferente: Scott é rebelde e se prostitui para humilhar sua família; já Mike é um sonhador, um rapaz gentil que está apaixonado pelo seu melhor amigo e quer encontrar a mãe. Juntos os dois se metem em diversas encrencas em viagens que vão do Idaho até a Itália para encontrar a mãe de Mike. Magnólia Magnolia 1999 | 188min | Estados Unidos | 14 anos Direção e roteiro: Paul Thomas Anderson Fotografia: Robert Elswit Montagem: Dylan Tichenor Música: Jon Brion Com Jeremy Blackman, Tom Cruise, Melinda Dillon, Philip Baker Hall, Philip Seymour Hoffman, Ricky Jay, William H. Macy, Alfred Molina, Julianne Moore, John C. Reilly, Jason Robards, Melora Walters Magnólia é praticamente um mosaico da sociedade americana construído a partir de uma série de vinhetas cômicas e pungentes. Através de uma trama que envolve coincidências, sorte, ação humana, imprensa, passado e intervenção divina, nove pessoas irão se entrelaçar e se envolver umas com as outras em um dia marcado por um inesquecível clímax. Algumas procurarão perdão, outras, fuga. Algumas reatarão relacionamentos, outras serão expostas. Jumanji Jumanji 1995 | 104min | Estados Unidos | 10 anos Direção: Joe Johnston Roteiro: Jonathan Hensleigh, Greg Taylor, Jim Strain Fotografia: Thomas E. Ackerman Montagem: Robert Dalva Música: James Horner Com: Robin Williams, Kirsten Dunst, David Alan Grier,Bonnie Hunt, Jonathan Hyde, Bebe Neuwirth O jovem Alan Parrish descobre um misterioso tabuleiro de jogo que magicamente o transporta para as desconhecidas selvas de Jumanji por 26 anos, até que duas inocentes crianças, Judy (Kirsten Dunst de Homem-AranhaTM 1 & 2) e Peter (Bradley Pierce), o libertam do poderoso feitiço do jogo. Batman - o retorno Batman returns 1992 | 126min | Estados Unidos | 12 anos Direção: Tim Burton Roteiro: Daniel Waters Fotografia: Stefan Czapsky Montagem: Chris Lebenzon Música: Danny Elfman


Posts Relacionados

Ver tudo

“Ruídos” | de Berna Reale | Últimos dias

O público tem até o dia 10 de março para visitar a mostra “Ruídos”, que apresenta um recorte da produção de uma das mais importantes artistas visuais brasileiras contemporâneas. Com curadoria de Silas

bottom of page