top of page

Com queda de 38% no criptocrime em 2023, mercado se prepara para uma "nova fase de crescimento" neste ano

A Chainalysis, líder em análise de blockchain, lançou nesta quinta-feira (18) o capítulo introdutório do Crypto Crime Report 2024, no qual afirma que o valor recebido em criptomoedas por endereços ilícitos no último ano totalizou US$ 24,2 bilhões, uma queda significativa de 38% na comparação com a máxima histórica de US$ 39,6 bilhões registrada em 2022. Deste total, cerca de US$ 14,9 bilhões (61,5%) estão relacionados a transações ilícitas de entidades sancionadas.

As atividades ilícitas representaram apenas 0,34% do volume total das transações em blockchain no ano passado - o que, segundo a Chainalysis, indica maturidade da indústria. “Com o Bitcoin ultrapassando a marca de US$ 46.000 devido à recente decisão da SEC de aprovar ETFs de BTC à vista, há fortes sinais de que o inverno cripto está descongelando. Juntamente com a redução significativa nas atividades de crimes no ano passado, parece que uma nova fase de crescimento poderá em breve chegar”, disse Eric Jardine, líder de pesquisa de crimes cibernéticos da Chainalysis. 

A notável queda no volume de transações ilícitas é em grande parte atribuída ao declínio acentuado nas fraudes e nos fundos de criptomoedas roubados, para os quais a receita total caiu 29,2% e 54,3%, respectivamente. Curiosamente, o declínio nos fundos roubados foi impulsionado por uma retração no hacking de DeFi, que é uma das áreas mais promissoras do ecossistema de criptomoedas, em grande parte devido à sua transparência. Esta queda pode representar a reversão de uma tendência que a Chainalysis observa desde 2022, e pode ser um sinal de que os protocolos DeFi estão melhorando suas práticas de segurança.

Por outro lado, os mercados de ransomware e darknet – duas das modalidades mais proeminentes do criptocrime – viram as receitas aumentar em 2023, em contraste com as tendências gerais. “O crescimento das receitas de ransomware é decepcionante após as fortes quedas que vimos no ano passado e sugere que talvez os atacantes tenham se ajustado às melhorias de segurança cibernética das organizações”, disse Jardine. “Também parece que o encerramento da Hydra fez pouco para dissuadir os mercados da darknet, uma vez que a atividade ilícita nesses canais está se recuperando, com a receita total alcançando os máximos históricos de 2021”, afirmou.

Outro fator indicado pela Chainalysis é a mudança contínua do Bitcoin como a criptomoeda preferida dos cibercriminosos. Embora algumas formas de atividade ilícita (como vendas no mercado darknet e extorsão de ransomware) ainda ocorram predominantemente em Bitcoin, outras (como fraudes e transações associadas a entidades sancionadas) mudaram para stablecoins. No geral, o Bitcoin foi utilizado em pouco menos de 25% de todas as transações ilícitas, muito atrás das stablecoins, que agora representam a maior parte das atividades, em linha com o crescimento geral das stablecoins.

“Essa mudança do Bitcoin é um desenvolvimento interessante e mais uma vez fala da maturidade do setor. Com base na recente decisão da SEC sobre ETFs de Bitcoin, à medida que 2024 se desenrola, acredito que veremos um impulso para uma infraestrutura de mercado mais madura que incentivará a custódia e um ecossistema de troca mais saudáveis e competitivos nos principais mercados”, concluiu Jardine.

Posts Relacionados

Ver tudo

Especialista explica sobre holding familiar

Holding familiar é uma empresa que possui participação acionária significativa em outras empresas, geralmente com o objetivo de administrar e controlar o patrimônio familiar, bem como facilitar a suce

bottom of page