top of page

Projeto oferece extensa programação de oficinas de capacitação na área de cultura para estudantes da Rede Pública de Ensino de Taguatinga


Taguatinga, um dos maiores celeiros culturais do DF, recebe a segunda edição do Educarte na Praça. Este ano, o projeto visa garantir aos estudantes da rede pública de Taguatinga-DF oportunidade de acesso a ações formativas via capacitação em áreas diversas da cultura. A realização é da Casa de Cultura Telar em parceria com o Ministério da Cultura.

 

A extensa programação – que será realizada nas escolas CEMTN, CEI 04 e CEMEIT, entre 01/04 e 15/05 – inclui 24 oficinas nas modalidades Contação de Histórias, Teatro, Maquiagem Teatral, Poesia, Sonorização de Histórias e Mediação de Leitura para Primeira Infância, esta última voltada para professores, coordenadores e pais do Centro de Ensino Infantil 04, cujo foco é a educação inclusiva. As inscrições são gratuitas.

 

O projeto propõe fomentar a capacitação e economia criativa local. Além disso, possibilita à população de Taguatinga um espaço vivo de convivência artístico-educacional. Aliás, durante o encerramento do projeto, haverá apresentações públicas de eventos culturais de culminância das oficinas, tudo aberto ao público.

 

O EducArte na Praça tem relevância para a sociedade porque propõe disseminar o conhecimento, formar público, capacitar pessoas e multiplicar ideias, atingindo um grande número de pessoas de diferentes faixas de renda, idade, gêneros, contando, ainda, com ações de acessibilidade e sustentabilidade.

 

As oficinas possuem metas sociais, culturais, econômicas e ambientais, estimula a autoestima, a integração social, a melhoria das relações interpessoais e o aumento da sensação de pertencimento na comunidade, além da geração de renda. O projeto tem como meta este ano atender 360 alunos da rede pública.

 

Segundo, Cléria Costa, idealizadora do EducArte na Praça, ao lado de Miriam Rocha, a finalidade da iniciativa é “constituir uma programação formadora que acolha a juventude e, ao mesmo tempo, contribua para a formação e capacitação de jovens, adultos, pais e professores por meio de oficinas, além de possibilitar à população de Taguatinga o acesso a manifestações artísticas”, explica.

 

Taguatinga possui 67 escolas públicas que atendem cerca de 45 mil estudantes, muitos sujeitos à vulnerabilidade e às desigualdades sociais, que podem encontrar nas ações do projeto entendimento dos seus processos vivenciais para a prevenção de situações as quais estão expostos. “Em um momento em que as profissões do futuro são muito incertas, o projeto pode corroborar a formação de novos artistas, novas maneiras de se fazer arte”, completa Cléria Costa.

 

As inscrições são gratuitas e podem ser acessadas por meio das redes sociais da Casa de Cultura Telar @casadeculturatelar


créditos das fotos: Educarte na Praça

 

As oficinas e os oficineiros:

 

TEATRO (CEMTN e CEMEIT) – Wellington Abreu

 

MAQUIAGEM TEATRAL (CEMTN e CEMEIT) – Clara Abreu

 

POESIA (CEMTN e CEMEIT) – Beth Jardim

 

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS (CEMTN) – Grupo Paepalanthus

 

SONORIZAÇÃO DE HISTÓRIAS (CEMTN) – Lucas Baraúna

 

MEDIAÇÃO DE LEITURA PARA PRIMEIRA INFÂNCIA (CEI 4) – Miriam Rocha

 

Wellington Abreu - Renomado Ator, Palhaço, Arte Educador, Produtor Cultural e Capoeirista, é um nome consagrado nas artes cênicas brasiliense. Com uma trajetória repleta de êxitos e reconhecimentos, Abreu se destaca não apenas nacionalmente, mas também internacionalmente, tendo conquistado palcos em diversos estados brasileiros, em São Tomé e Príncipe na África, e até mesmo nos

Estados Unidos, participando do Brazilian Day em Nova York e Boston.Com uma formação sólida em Educação Artística e uma Pós-Graduação em

Metodologia do Ensino de Arte, Wellington Abreu tem atuado em mais de 24 espetáculos, dirigindo produções aclamadas como "Laura em Memória dos Anônimos". Sua incursão no cinema também é notável, com participações em filmes de curta e longa-metragem, como "Manual da Pós Verdade" e "A cidade é uma só".

 

Clara Abreu é estudante de artes cênicas, atriz, dançarina, brincante e maquiadora. Idealizadora e professora do projeto "Entre Caras e Roupas! Da maquiagem ao figurino", projeto que realizou oficinas de maquiagem Teatral e figurino teatral, faz criação e produção de maquiagem para diversas manifestações culturais e audiovisual, também ministrando aulas de maquiagem artística e automaquiagem.

 

Beth Jardim - Poeta e declamadora possui robusta atuação artística no Distrito Federal há 17 anos participando de diversos saraus e eventos. Foi apresentadora do 50º Festival de Cinema de Brasília do Cinema Brasileiro realizado no Teatro da Praça em Taguatinga. Foi tesoureira e atualmente é Secretária Geral da Associação Cultural Tribo das Artes. Compositora em parceria das músicas  “Favela do Amor” de Alberto Salgado e “Coisas Tão Singelas” com interpretação de Lorena Ly. Eleita Conselheira de Cultura de Taguatinga pelo período de 2018 a 2020. Estudou jornalismo pela faculdade ICESP. Desde a alfabetização tem contato com a poesia através de seu avô Reynaldo Jardim jornalista e poeta brasileiro.

 

Paepalanthus ou Sempre Viva, como é popularmente conhecida, é uma flor do cerrado que cresce em lugares altos e arenosos e, como seu próprio nome diz, permanece sempre florida, mesmo depois de seca. Com o objetivo de manter sempre viva a arte de contar histórias, o Grupo Paepalanthus, composto por Aldanei Menegaz, Míriam Rocha, Rose Costa e Simone Carneiro, reuniu-se em torno das tradições orais para levar ao público esta arte milenar que encanta, fascina, instiga, informa, diverte e aproxima pessoas. Contadoras de Histórias com mais de 27 anos de experiências, tendo atuado como formadores na Arte de Contar Histórias e em projetos do FAC (Fundo de Apoio a Cultura) como Sexta em Conto: Histórias do Arco da Velha; Boca da Noite; Contos de Encantamentos; De Boca em Boca; Práticas da Narração Oral: Ler, Ouvir e Contar; Histórias para Mudar a História; Ciranda Rural; Chá Literário, Poéticas na Arte de Contar Histórias, Mostra Paepalanthus: 13 anos de histórias para contar.

 

Lucas Baraúna -  Músico, compositor e sound designer, criando e complementando narrativas através do som. Aluno do curso de Processos Fonográficos na Escola de Música de Brasília, aprofunda-se no estudo do som e da música, aplicando suas habilidades como pesquisador sonoro e compositor musical no mercado fonográfico. Participa ativamente do movimento cultural do Distrito Federal e atualmente está como conselheiro do CRC Taguatinga. Seu talento se manifesta em uma variedade de projetos, incluindo trilhas sonoras, jingles, foley arte e composição de canções. Destaca-se sua colaboração na trilha sonora do espetáculo "Miragem do Sertão", bem como seu papel como músico acompanhando o grupo Paepalanthus de contação de histórias, onde suas composições adicionam profundidade e atmosfera aos espetáculos.

 

Míriam Rocha - contadora de histórias, mediadora de leitura, produtora cultural e especialista em Educação Inclusiva. Desenvolve projetos de leitura com crianças com vulnerabilidade social, crianças especiais e bebês. Atua no Grupo Paepalanthus há mais de 17 anos na arte de contar histórias, na mediação de leitura, na formação de novos contadores de histórias e na circulação de diversos projetos com recursos do FAC (FUNDO DE APOIO A CULTURA) e outros.

 

Casa de Cultura Telar - É um espaço de criação, produção e difusão das diversas manifestações artísticas, culturais e esportivas brasileiras. A ideia é promover encontros por meio de ações que fomentem a autoestima, protagonismo juvenil, empoderamento e visibilidade aos que vivem em situação de vulnerabilidade social. Os projetos buscam a imersão nos saberes, fazeres, por meio de oficinas, atividades ao ar livre, rodas de diálogo e muito mais. Telar conecta mulheres, homens, crianças, que, tecidas pelas mãos de muita gente, fazedoras de cultura, bem como outros segmentos transversais ligados a esporte, educação e cidadania, visando o bem estar da sociedade.  @casadeculturatelar


Comments


bottom of page