Artesanato candango com a visibilidade que merece


Patrocinado pelo FAC/DF, projeto Ocupa Torre entrega para Brasília, no mês do seu aniversário, um mapeamento da produção cultural de um dos espaços mais icônicos da cidade: a Feira da Torre de TV de Brasília

O projeto Ocupa Torre, patrocinado pelo Fundo de Apoio à Cultura (FAC/DF), além de oficinas de capacitação e palestras, está entregando um mapeamento de todo artesanato que é produzido e comercializado na Feira da Torre de TV de Brasília. A proposta é promover ações de valorização do artesanato tradicional produzido pelos artesãos e artesãs do local. Numa homenagem à Torre de TV, que completou 55 anos; e a Brasília, que aniversaria no próximo dia 21 de abril, a iniciativa começou em dezembro de 2020 e foi remodelada para o formato digital, com finalização prevista para o próximo mês, quando a capital federal completa 62 anos.


Na prática, todas as bancas foram visitadas com o intuito de identificar os produtos comercializados, suas características e a história por trás dos artesãos e artesãs. “Buscamos facilitar a vida de quem se interessa por artesanato, seja morador da cidade ou turista. Com a pandemia, estes profissionais foram extremamente prejudicados e esta ferramenta – que é o site www.ocupatorre.com.br - se propõe a minimizar um pouco estas consequências”, afirma Joana Piantino, coordenadora do projeto.


Segundo ela, a ideia surgiu a partir da observação da proponente do projeto, Lurdinha Piantino, que também tem uma banca na Feira da Torre, que percebeu que o movimento em alguns pontos era bem menor que em outros. “Portanto, o intuito de fazer um site contendo as informações sobre os feirantes poderia ajudar no acesso do público a pontos mais excluídos que os visitantes têm dificuldade de chegar, principalmente por conta da extensão da local”, explica, lembrando que, após a mudança para um espaço mais amplo, a feira ficou muito grande e é praticamente impossível conhecê-la integralmente em uma visita.


Beneficiados

No final das contas, quem ganha com isso é tanto o público brasiliense, que visita a Feira da Torre; quanto os turistas, que vêm conhecer a cidade; e os próprios feirantes. “As pessoas são beneficiadas com a praticidade de ter acesso aos produtos disponibilizados na feira, podendo encontrar mais facilmente o que se deseja; os turistas ganham por poder ter um panorama do que poderá ser visto durante a visita à feira; e os artesãos e artesãs se beneficiam com a visibilidade dada aos seus trabalhos e com a facilidade de contato com compradores, podendo aumentar suas vendas”, detalha.


Ao todo, foram registradas 177 bancas pelo projeto, pelas lentes das fotógrafas Bruna Araújo e Isadora Valença, com a produção de Joana Piantino.


Outra novidade é que o site permite que o público entre em contato diretamente com os trabalhadores da Feira da Torre. Sendo assim, o mapeamento dos trabalhos artesanais também engloba todos os serviços oferecidos por esses artesãos e artesãs.


Para Joana, o mapeamento da produção artesanal da feira é algo que proporciona a valorização do artesanato da cidade para quem é daqui e para quem vem de fora. “Esse tipo de registro é extremamente importante para a visibilidade da profissão de artesão e enriquece o patrimônio cultural da cidade.

O site poderá ser acessado por pessoas que vêm para Brasília conhecer e por pessoas de outras cidades que podem conhecer os trabalhos artesanais apenas virtualmente”, conta.

Segundo ela, o registro feito pelo Ocupa Torre conta um pouco da história da cidade e reúne trabalhos feitos por diferentes gerações há anos, evidenciando a riqueza cultural e a diversidade de técnicas dominadas pelos artesãos e artesãs da cidade.


Toda a programação do projeto Ocupa Torre é gratuita e aberta à população.