Atacadistas brasilienses de pescados esperam vender 10% a mais na Quaresma deste ano


Entre os produtos mais procurados estão bacalhau, tambaqui, tilápia, sardinha e pintado

A Quarta-Feira de Cinzas marcou o fim do Carnaval e também significou o início da Quaresma para os católicos. A tradição religiosa costuma durar 40 dias e se estende até a Páscoa, que neste ano compreende o período entre 2 de março e 14 de abril. Religiosos costumam fazer promessas e se abster de prazeres carnais, além de pagar penitências, intensificar as orações e optar pelo jejum de alguns alimentos, como a carne vermelha, por exemplo.


O período é, portanto, um dos mais importantes no ano para o comércio atacadista de pescados, que perde apenas para a Semana Santa, o Natal e o Ano Novo.


A expectativa do Sindicato do Comércio Atacadista do DF (Sindiatacadista/DF) é de que as vendas deste tipo de produto este ano cresçam em torno de 10%, em relação ao mesmo período do ano passado.


“Recebemos os pedidos do varejo no mês passado, que apontam esta tendência de aumento de consumo. Além disso, o peixe tem representado uma opção mais econômica em relação à carne, que sofreu aumentos consideráveis nos últimos anos”, afirma Lysipo Gomide, presidente do sindicato.


Para o empresário Adolfo Plá Pujades, da Santa Lúcia Pescados, atacadista com mais de 30 anos de mercado, este ano deve, de fato, ser um pouco melhor do que em 2021. “Temos observado já um aumento na demanda, mas o pico acontece mesmo na Semana Santa”, aponta. “Além disso, o preço médio também está mais salgado, sofrendo um reajuste na casa dos 10%, em relação a 2021”, complementa.


Segundo ele, entre as opções mais procuradas estão: Tambaqui, Tilápia, Sardinha e Pintado. “A maior parte vem dos estados de Mato Grosso e Goiás”, revela o empresário, lembrando que o consumo de bacalhau – que é um produto importado - tradicionalmente é o líder de vendas nesta época do ano.


Atenção na hora de escolher o pescado


O pescado é um tipo de carne muito recomendado por nutricionistas para a dieta do dia a dia. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, o consumo de peixe deve ser feito, pelo menos, duas vezes na semana para auxiliar na manutenção da qualidade de vida e na prevenção de doenças cardiovasculares.


Mas você sabe escolher o peixe para levar para casa? Elencamos algumas dicas para lhe ajudar nesta tarefa, garantindo mais sabor e saúde na sua mesa. Confira:


Preste atenção nas características do peixe que leva para casa

Na hora de comprar o seu peixe, preste atenção em algumas características que podem sinalizar a qualidade e o bom estado de conservação do produto. São elas:

  • A pele deve estar brilhante e seu muco – se houver – deve ser translúcido;

  • A carne do peixe (caso opte por comprar filets) deve estar bem firme e elástica;

  • Peixes inteiros devem ter olhos salientes e bem brilhantes;

  • As escamas do peixe devem sempre estar bem aderidas à pele;

  • As brânquias são sempre avermelhadas, com tons de rosa ou vinho escuro;

  • O odor do peixe deve ser característico, porém suave, sem ser desagradável.

Produtos mais procurados na Quaresma:


1) Bacalhau

2) Tambaqui

3) Tilápia

4) Sardinha

5) Pintado


Sobre o Sindiatacadista/DF - O Sindicato do Comércio Atacadista do Distrito Federal (Sindiatacadista/DF) representa todo o comércio atacadista de Brasília, entre os quais estão: gêneros alimentícios, autosserviço, autopeças, material de construção, drogas e medicamentos. Ao todo, são, aproximadamente, 400 empresas representadas pela entidade sindical sem fins lucrativos. E, atualmente, sua base é composta de 187 empresas associadas.


Além de coordenar, proteger, apoiar, integrar e representar legalmente o segmento de atacado e distribuição em todo o Distrito Federal exerce um papel relevante no crescimento da representatividade de seus associados e parceiros. É filiado à Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores de Produtos Industrializados (ABAD) e à Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Distrito Federal.


A entidade é o elo entre o setor atacadista, governo, varejistas e a sociedade em geral, além de defender os interesses e anseios de seus associados, agregar forças na criação de melhorias e promover a integração da classe atacadista.