Sindicato das Academias clama para que atividades continuem no DF


De acordo com a presidente da entidade, pelo menos 300 estabelecimentos correm risco de encerrar atividades na capital do país se o setor parar

Desde o último domingo, 28 de fevereiro, o Distrito Federal está em lockdown. O que significa que diversos setores da economia estão parados, impedidos de funcionar para evitar a disseminação do novo Coronavírus. Mas será que esta é a melhor decisão? Para a presidente do Sindicato das Academias do Distrito Federal, o Sindac DF, não. "O nosso seguimento cuida da saúde da população. Sabemos que o bem-estar físico e emocional pode ser decisivo na prevenção e combate à covid-19, por isso, queremos ser parte da solução", afirma Thais Yeleni. Ela continua: "somos linha de frente no combate à COVID19 e tantas outras doenças. Vamos gerar ainda mais economia ao nosso país, deixando a população mais ativa, com menos idas aos hospitais, menos ingestão de remédios, aumento da produtividade e sendo mais feliz. Pois estes são alguns efeitos desta poderosa ferramenta que é a ATIVIDADE FÍSICA".


Colapso no setor

Segundo Thais, além de serem geradoras de saúde, as academias do Distrito Federal não vão sobreviver a mais um fechamento. Ela lembra que em 2020 foram 114 dias com as portas fechadas. "Só nos primeiros meses de pandemia nós perdemos 100 academias e mais pelo menos 8 mil pessoas foram demitidas. Nossa situação está cada vez pior", afirma. De acordo com a presidente do Sindac, mesmo com a reabertura gradual o setor não recuperou o movimento e nem receita para se manter em mais um lockdown.


Para manter as unidades foi preciso correr atrás do prejuízo, investir no online e entre outras ferramentas. Mas nem todos os estabelecimentos conseguiram se firmar durante a crise. Pensando nisso, o Sindac entrou com pedido e ainda luta pelo parcelamento da 2ª parcela do 13º salário, redução de 50% na carga horária e suspensão de 30% do salário dos colaboradores. "Mesmo com tudo isso, não conseguimos recuperar o setor. Muita gente não conseguiu pagar nem a primeira parcela e vai ter que demitir se ficar fechado", destaca.


Assembleia

Conforme Thais, com o fechamento do setor, mais 300 academias podem encerrar suas atividades no DF. "Isso é muito triste para nós, pois perderemos ambientes de cuidado com a população, meios que podem tratar e combater o coronavírus na capital do país", aponta. Ela conclui: "por isso, amanhã, 03 de março, será realizada uma assembleia extraordinária para tratar uma nova CCT de demissão em massa nas academias do DF".

Publicidade
Banner Rodac - 228x446px v2.png
Banner Pequeno - Tenha Sua Marca Aqui -

© 2021 por Rodac Comunicação Criativa